Xerox, antepassado das impressoras

Adesivos: mercado de bebidas
Adesivos: mercado de bebidas
12 de maio de 2017
automação
Produtividade com automação na logística
16 de maio de 2017
Mostrar tudo

Xerox, antepassado das impressoras

impressoras

Antigamente, antes das impressoras laser e jato de tinta,  para se imprimir materiais em grandes quantidades como panfletos, cartões, talões, recibos e formulários, era necessário recorrer a processos de impressão que quase sempre exigiam a impressão de grandes volumes para que o custo se tornasse viável.

Esses processos incluíam a tipografia, a serigrafia, a impressão por offset e alguns processos mais artesanais como o famoso mimeógrafo. E dependendo da situação, recorria-se a processos manuais como datilografar o mesmo conteúdo várias vezes, ou mesmo fazer a mão.

E em todos esses processos há um “custo” inicial – ou seja, para se produzir a primeira cópia é necessário uma certa mão de obra para produzir a matriz e configurar o equipamento. Isso faz com que a produção em grande escala seja viável, mas inibe qualquer tipo de trabalho em pequena quantidade.

Até que em 1949 a nossa famosa e muito conhecida Xerox – que na época se chamava The Haloid Company – apresentou ao mercado a Xerox Model A, após adquirir o processo e as patentes de um inventor chamado Chester Floyd Carlson e de seu amigo engenheiro Otto Kornei.

Chester (“Chet”) e Otto haviam desenvolvido um processo de cópia a seco que utilizava eletricidade. Era chamado de xerografia (“xerography”, em inglês), e este termo também foi usado como para os nomes dos produtos da empresa.

O processo de xerografia envolve a utilização de luz para “escanear” um documento original, e então a eletricidade para polarizar um cilindro revestido de selênio, que por fim atrai o pó tonalizante (toner) para si e o transfere para o papel, produzindo uma imagem idêntica ao original.

Parece familiar? As impressoras laser dos dias de hoje são baseadas nos princípios da xerografia.

A Xerox Model A fez muito sucesso mas ela era operada manualmente e com isso havia espaço para melhorias. Assim, alguns anos depois em 1959 a empresa lança a Xerox 914, que possui este nome por ser capaz de copiar documentos com 9″ de largura (22,8 cm) por 14″ de altura (35,5 cm).

A Xerox 914 funcionava de forma automática, idêntica às copiadoras dos dias de hoje: coloca-se o original em uma área com vidro, abaixa-se a tampa e inicia-se a cópia com um toque no botão. A operação poderia ser feita por qualquer pessoa, porém sua manutenção era complicada e exigia uma equipe técnica específica. Além disso ela tinha uma tendência a pegar fogo, e um dos acessórios fornecidos por padrão era um extintor de incêndio.

impressoras

A Xerox 914 tornou-se incrivelmente popular, chegando a responder por cerca de 2/3 do faturamento da empresa na década de 1960. Nesta época haviam duas opções para se adquirir o equipamento: aluguel por US$ 25 por mês (cerca de US$ 188 nos dias de hoje) ou compra por US$ 27.500 (cerca de US$ 206.900 nos dias de hoje).

Este equipamento em particular deixou de ser fabricado em 1977, mas a Xerox lançou outros como a 720, a 1000, a 813 e 2400.

Salvar

Ajude-nos a espalhar boas ideias: Compartilhe!
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on PinterestShare on StumbleUponDigg thisShare on RedditEmail this to someone

Os comentários estão encerrados.